As aranhas, muitas vezes chamadas erroneamente de insetos, causam medo e fascínio.

Artrópode da classe dos aracnídeos (ordem Araneida), apresentam cores e tamanhos variados.

Tem aranha de tamanho quase invisível a olho nu até espécies de mais de 20 cm.

A ordem das aranhas reúne mais da metade dos aracnídeos, ou seja, 44.540 espécies descritas no mundo, distribuídas em 112 famílias e 3.924 gêneros.

No Brasil, existem 300 espécies inventariadas e 600 estimadas, somente de aranhas-caranguejeiras (Mygalomorphae), e, aproximadamente 4.000 espécies de aranhas devem existir em território brasileiro.

Dezenas de novas espécies, de gêneros e até mesmo novas famílias são descritas a cada ano.

Então vamos conhecer um pouquinho mais sobre elas?

1) Tem grande importância ecológica

Apesar da sua má reputação, as aranhas são indispensáveis ao equilíbrio ecológico do meio ambiente.

Elas são elos na cadeia alimentar dos ecossistemas e desempenham um papel importante como predadoras.

Ou seja, elas participam da regulação das populações de insetos, os quais consomem em grandes quantidades.

Assim como também são fontes de alimento para muitas espécies.

Além disso, seus venenos podem ser fontes de novos medicamentos ou de inseticidas úteis ao homem.

E a seda também representa um recurso com um grande potencial de utilização pelo homem.

2) Algumas aranhas podem passar até mais de 100 dias sem comer

Isso ocorre porque elas já estão adaptadas ao hábito predatório e nem todo dia ela encontram seu alimento.

E por isso, possuem o intestino médio muito extenso e diminuem a taxa de metabolismo, gastando menos energia.

Além disso, existem aranhas que caçam, vagando à procura de insetos e outras que utilizam uma estratégia de tocaia.

Em ambos casos a presa é detectada por estímulos visuais e táteis.