Apesar de não possuírem pernas, as serpentes são capazes de se locomover no chão da floresta, areia, sob as árvores e até mesmo na água.

Tudo isso graças à flexibilidade e extensão de sua coluna vertebral, complexa musculatura, pele e disposição das escamas.

É o único vertebrado capaz de dobrar completamente a coluna.

É capaz de nadar, submergir na água ou na areia, e escalar planos verticais, desde que sejam ásperos.

As costelas e escamas ventrais são conectadas por músculos, e são sincronizados durante a locomoção.

A velocidade máxima que uma serpente pode desenvolver é muito variável.

Em geral não ultrapassa 7 km por hora.

Em determinadas situações e distâncias curtas, pode atingir maior velocidade.

As formas como esses animais se locomovem estão associadas a sua morfologia, modos de predação e tipos de substratos que utilizam.

Pode se locomover de várias formas, dependendo de sua atividade e do ambiente.

Movimento Ondulatório Horizontal ou Movimento Serpentino

É a forma de deslocamento mais comum das serpentes.

O animal se locomove por ciclos de contrações musculares em lados opostos da coluna vertebral.

Curvando seu corpo em formato de “S”.

Essas curvas seguem a direção da cabeça para a cauda.

A serpente ondula o corpo alternadamente para um lado e para o outro, deslocando-se para frente em sentido horizontal.

Usado em fuga, é o deslocamento típico de serpentes rápidas.

Movimento concertina

Quando o animal se encontra em locais estreitos (como tocas de roedores) que não permitem movimentos de locomoção serpentina.

Ele pressiona várias alças nas paredes do local e posteriormente estende seu corpo, impulsionando-se para a frente.

Movimento retilíneo 

Serpentes grandes se movimentam em linha reta e lentamente.

A ação dos músculos sobre as escamas provoca ondas sucessivas de contração muscular na pele da serpente, elevando as escamas do solo, da frente para trás, e a serpente se desloca em linha reta para frente.

Característico de serpentes de corpo volumoso e pesado, com deslocamento lento.

Por ser muito discreto, é usado para se aproximar da presa sem que ela perceba.

Movimento Sinuoso-lateral, ou Sidewinding ou alças laterais

A serpente eleva o corpo em alças, apoiando somente dois pontos do corpo no solo a cada avanço.

As alças são impulsionadas para frente pelo ar, muito próximas do solo, e quando são apoiadas no chão exercem força para baixo.

Parece que a serpente anda de lado.

Em terrenos arenosos, deixam marcas em forma de “J”.

A maioria da serpentes é capaz de se locomover desse modo.

As espécies de deserto são as mais especializadas nesse movimento.

Movimento Misto ou Movimento em Sanfona

Junta o Movimento Ondulatório Horizontal ao Movimento Retilíneo.

A serpente se dobra como uma sanfona, trazendo a parte traseira de seu corpo para junto da dianteira.

E então avança impulsionando a parte dianteira, até esticar novamente o corpo, para depois se dobrar novamente.

Mantem um ou mais pontos de atrito com o solo.

As alças que se formam quando ela se dobra podem ser horizontais ou verticais.

Movimento usado em superfície lisa, ao rastejar através de um túnel estreito, ou ao subir por superfície vertical.