A filosofia da biologia ainda é uma ciência nova, vista como uma subárea da filosofia da ciência.

Uma das primeiras contribuições introdutórias à filosofia da biologia foi a de David Hull, The Philosophy of Biological Science, de 1974.

A biologia é um tipo de ciência muito diferente das demais.

Isso porque difere fundamentalmente no seu objeto de estudo, na sua história, nos seus métodos e na sua filosofia.

Quando tentamos explicar o que é a biologia, vemos que ela, na verdade, consiste em dois campos bem diferentes:

A biologia mecanicista (funcional) e a biologia histórica (MAYR, 2005).

A biologia funcional ocupa-se da fisiologia de todos os organismos vivos.

Especialmente com os processos em níveis celular e moleculares.

Já a biologia histórica debruça se sobre os aspectos da evolução dos organismos.

Como por exemplo, a extinção dos dinossauros, a origem dos seres humanos e das demais espécies, a origem das novidades evolutivas e a explicação da diversidade orgânica.

O que estuda a filosofia da biologia

Nessa década, alguns filósofos da ciência passaram a dedicar-se, especificamente, a uma reflexão sobre a biologia.

É relevante assinalar que os tópicos a que se dedicaram os filósofos da biologia tiveram um caráter nitidamente teórico e não aplicado.

Por exemplo, dimensões metafísica, epistemológica e metodológica da pesquisa realizada no âmbito da biologia.

Uma filosofia especial da biologia deve abordar não somente os conceitos metacientíficos relevantes.

Como por exemplo o conceito de “lei”, que tradicionalmente são objeto de uma filosofia geral da ciência.

Mas também os conceitos utilizados no âmbito dessa ciência particular.

A resolução de problemas conceituais é, de fato, crucial em certos momentos da atividade científica.

E os filósofos têm dado contribuições significativas nesse tocante.

filosofia

Mas para que serve a filosofia da biologia?

Principalmente promover a compreensão da ciência como uma construção.

E não como algo que está pronto, delimitado e livre de questionamentos.

Além disso, é importante para promover uma reflexão sobre os aspectos que influenciaram o modo de pensar e fazer da biologia e que a constituíram como ciência.

É também impossível tentar entender o desenvolvimento de qualquer conceito particular, ou problema, na história da biologia, sem previamente ter a resposta para as seguintes questões:

  • “o que é ciência?”
  • “qual é o lugar da biologia entre as ciências?”
  • “qual é a estrutura conceitual da biologia?”

A filosofia da biologia, nesse sentido, apresenta a biologia como uma ciência complexa.

Que rejeita a necessidade de uma opção radical pelo reducionismo ou por uma visão mais holística de ciência.

Outro ponto importante da filosofia da biologia, é que ela ajuda a compreender a evolução como o eixo integrador da biologia.

A teoria evolucionista tornou-se a “ciência central” da biologia ao unir e relacionar práticas heterogêneas da biologia em uma ciência unificada e progressiva.

Além de reconhecer o caráter histórico e humano da ciência.

Ao pesquisar respostas para questões do mundo real, como as consequências ecológicas do aquecimento global, o delineamento de planos para a conservação de espécies, a compreensão das dinâmicas das paisagens e da expressão gênica, os biólogos constantemente tomam decisões baseadas em princípios filosóficos, como criar testes e explicações para um fenômeno observado.

Para o bem ou para o mal, algum tipo de filosofia é sempre parte integrante do fazer da biologia.

Essa filosofia perpassa necessariamente pelo caráter histórico da ciência, que, obviamente, não possui todas as respostas para todas as questões que propomos diariamente.

  • Para saber mais: 

Filosofia da Biologia