Certamente você já ouviu que o coração funciona como uma bomba.

Mas o que isso quer dizer?

Já vimos as partes anatômicas do coração aqui.

Agora vamos entender como o coração funciona.

O Ciclo Cardíaco

O ciclo cardíaco inclui todos os eventos associados a um batimento cardíaco.

Portanto, em um ciclo cardíaco normal os dois átrios se contraem, enquanto os dois ventrículos relaxam e vice versa.

coraçãoÉ o que chamamos de sístole (contração do músculo cardíaco) e diástole (relaxamento do músculo).

Então quando o coração bate, os átrios contraem-se primeiramente (sístole atrial), impulsionando o sangue para os ventrículos.

Uma vez preenchidos, os dois ventrículos contraem-se (sístole ventricular) e impulsionando o sangue para fora do coração.

Assim as valvas atrioventriculares estão abertas à passagem de sangue e a pulmonar e a aórtica estão fechadas.

Na sístole ventricular as valvas atrioventriculares estão fechadas e as semilunares abertas a passagem de sangue.

O bombeamento não é controlada apenas pela contração rítmica de suas fibras musculares.

A direção do fluxo sanguíneo é orientada e controlada pelas valvas tricúspide (na abertura entre o átrio direito e o ventrículo direito) e mitral ou bicúspide (na abertura entre o átrio esquerdo e o ventrículo esquerdo).

As valvas e válvulas servem para impedir o comportamento anormal do sangue.

Ou seja, para impedir que ocorra o refluxo.

Por isso há o movimento de fechar após a passagem do sangue.

A valva tricúspide possui mais válvulas ou cúspides (a anterior, posterior e a septal) porque a pressão sanguínea é maior neste lado do coração.

Isso porque recebe sangue provindo do átrio direito e consequentemente das veias cavas.

É o sangue que vem de todos os órgãos do organismo.

Por isso a formação dessas válvulas em maior quantidade entre o átrio e ventrículo direito.

Enquanto que o esquerdo tem apenas duas cúspides (anterior e posterior).

Não que a quantidade de sangue ejetado (débito cardíaco) em um lado seja maior do que o outro, apenas a pressão em que ocorre.

A vascularização

Quando falamos em vascularização do coração nos referimos ao fluxo sanguíneo, a irrigação sanguínea.

A irrigação do coração  então é formada pelas artérias coronárias e pelo seio coronário.

As artérias coronárias são duas, uma direita e outra esquerda.

Elas têm este nome porque ambas percorrem o sulco coronário e são as duas originadas da artéria aortas.

A artéria, logo depois da sua origem, dirige-se para o sulco coronário percorrendo-o da direita para a esquerda, até o o ramo circunflexo.

Que é o ramo terminal da artéria coronária esquerda que faz continuação desta circundado o sulco coronário.

A Artéria Coronária Direita dá origem a duas artérias que vão irrigar a margem direita e a parte posterior do coração.

São elas a artéria marginal direita e artéria interventricular posterior.

Já a Artéria Coronária Esquerda, de início, passa por um ramo por trás do tronco pulmonar para atingir o sulco coronário, evidenciando-se nas proximidades do ápice da aurícula esquerda.

Ela tem um ramo interventricular anterior e um ramo circunflexo que dá origem a artéria marginal esquerda.

Na face diafragmática as duas artéria se juntam formando um ramo circunflexo.

O sangue venoso é coletado por diversas veias que desembocam na veia magna do coração.

Essa veia inicia ao nível do ápice do coração, passa pelo o sulco interventricular anterior e segue o sulco coronário da esquerda para a direita passando pela face diafragmática, para chegar ao no átrio direito.

A porção terminal deste vaso, representada por seus últimos 3 cm forma uma dilatação que chamamos de seio coronário.

O seio coronário recebe ainda a veia média do coração.

Essa percorre de baixo para cima o sulco interventricular posterior e a veia pequena do coração que margeia a borda direita do coração.

Há ainda veias mínimas, muito pequenas, as quais desembocam diretamente nas cavidades cardíacas.

A inervação

Quando falamos de inervação nos referimos ao nervos que compõem o coração para seu bombeamento.

A inervação do músculo cardíaco ocorre de duas formas.

A extrínseca que provém de nervos situados fora do coração.

E intrínseca que constitui um sistema só encontrado no coração e que se localiza no seu interior.

A inervação extrínseca deriva do sistema nervoso autônomo, isto é, simpático e parassimpático.

Do simpático, o coração recebe os nervos cardíacos simpáticos.

Sendo três cervicais e quatro ou cinco torácicos.

As fibras parassimpáticas que vão ter ao coração seguem pelo nervo vago.

Do qual derivam nervos cardíacos parassimpáticos, sendo dois cervicais e um torácico.

Fisiologicamente o simpático acelera e o parassimpático retarda os batimentos cardíacos.

A inervação intrínseca ou sistema de condução do coração é a razão dos batimentos contínuos do coração.

É uma atividade elétrica, intrínseca e rítmica, que se origina em uma rede de fibras musculares cardíacas especializadas.

Essas fibras são chamadas de células auto-rítmicas (marca passo cardíaco), por serem auto-excitáveis.

A excitação cardíaca começa no nodo sino-atrial, situado na parede atrial direita, inferior a abertura da veia cava superior.

Propaga-se ao longo das fibras musculares atriais e o potencial de ação atinge o nodo atrioventricular, situado no septo interatrial, anterior a abertura do seio coronário.

Do nodo atrioventricular, o potencial de ação chega ao feixe atrioventricular (feixe de His).

Este é a única conexão elétrica entre os átrios e os ventrículos.

Após ser conduzido ao longo do feixe atrioventricular, o potencial de ação entra nos ramos direito e esquerdo, que cruzam o septo interventricular, em direção ao ápice cardíaco.

Finalmente, as miofibras condutoras (fibras de Purkinge), conduzem rapidamente o potencial de ação.

Primeiro para o ápice do ventrículo e após para o restante do miocárdio ventricular.

O que a pequena e a grande circulação tem a ver com o funcionamento do coração?

Lembra que o coração é comparado a uma bomba?

Pois então, o coração funciona com dois circuitos diferentes para a circulação do sangue.

A pequena circulação (pulmonar) se estabelece entre o coração e os pulmões.

grande circulação (sistêmica) liga o coração às demais partes do organismo.

Para o funcionamento simultâneo dos dois circuitos são necessárias duas bombas.

O coração é, portanto, uma bomba dupla.

Para isso é importante tanto a vascularização quanto a inervação.

Isso porque o sangue venoso, isto é, o sangue que já alimentou todos os tecidos do organismo e já lhes forneceu oxigênio, chega ao coração pelas duas veias cavas (superior e inferior).

Entra pelo átrio direito e, quase imediatamente, passa para o ventrículo direito.

Este encarrega-se de encaminhá-lo aos pulmões, onde o sangue sofre uma depuração.

Ou seja, perde o gás carbônico resultante das queimas celulares nos vários tecidos do corpo e ganha novo suprimento de oxigênio para redistribuir ao organismo.

Essa é pequena circulação ou circulação pulmonar.

Já a circulação sistêmica ou grande circulação o sangue arterial, ou seja, aquele que foi depurado na pequena circulação,  retorna ao coração pelo átrio esquerdo.

Segue para o ventrículo esquerdo e sai pela artéria aorta em direção ao resto do corpo.

E recomeça seu trabalho: entrega oxigênio e nutrientes a cada célula e recolhe o que elas não precisam mais.