O cerrado é uma das regiões de maior biodiversidade do planeta e cobre 25% do território nacional.

Estimativas apontam mais de 6.000 espécies de árvores e 800 espécies de aves.

Além de grande variedade de peixes e outras formas de vida.

Calcula-se que mais de 40% das espécies de plantas lenhosas e 50% das espécies de abelhas sejam endêmicas.

Isto é, só ocorrem nas savanas brasileiras.

É o segundo maior bioma do país em área, apenas superado pela Floresta Amazônica.

O cerrado é uma formação do tipo savana tropical.

Com extensão de cerca de dois milhões de km² no Brasil, com uma pequena inclusão na Bolívia.

A fisionomia mais comum é uma formação aberta de árvores e arbustos baixos coexistindo com uma camada rasteira graminosa.

Engana-se quem acha que cerrado é tudo uma coisa só.

Existem várias outras fisionomias, indo desde os campos limpos até as formações arbóreas.

O bioma cerrado e sua biodiversidade de formas

cerrado

A vegetação apresenta fisionomias que englobam formações florestais, savânicas e campestres.

O clima tem efeitos indiretos sobre a vegetação (o clima age sobre o solo), da química e física do solo, da disponibilidade de água e nutrientes, e da geomorfologia e topografia.

A distribuição da flora é condicionada pela latitude, frequência de queimadas, profundidade do lençol freático, pastejo e inúmeros fatores antrópicos (abertura de áreas para atividades agropecuárias, retirada seletiva de madeira, queimadas como manejo de pastagens etc).

São descritos onze tipos fitofisionômicos gerais, muitos dos quais apresentam subtipos:

  • Formações florestais (Mata Ciliar, Mata de Galeria, Mata Seca e Cerradão),
  • Formações savânicas (Cerrado s.s., Parque de Cerrado, Palmeiral e Vereda) e
  • Formações campestres (Campo Sujo, Campo Rupestre e Campo Limpo).

Formações florestais

As formações florestais do Cerrado englobam os tipos de vegetação com predomínio de espécies arbóreas e formação de dossel.

A Mata Ciliar e a Mata de Galeria são fisionomias associadas a cursos de água, que podem ocorrer em terrenos bem drenados ou mal drenados.

A Mata Seca e o Cerradão ocorrem nos interflúvios, em terrenos bem drenados.

A Mata de Galeria possui dois subtipos: não Inundável e Inundável.

A Mata Seca, três subtipos: Sempre-Verde, Semi-Decídua e Decídua.

O Cerradão pode ser classificado como Mesotrófico ou Distrófico.

  • Mata Ciliar

Caracteriza-se pela vegetação florestal que acompanha os rios de médio e grande porte da região do cerrado.

Em geral essa Mata é relativamente estreita em ambas as margens.

Dificilmente ultrapassando 100 m de largura em cada.

Geralmente a Mata Ciliar ocorre sobre terrenos acidentados.

Pode ocorrer uma transição nem sempre evidente para outras fisionomias florestais como a Mata Seca e o Cerradão.

A Mata Ciliar diferencia-se da Mata de Galeria pela composição florística e pela deciduidade.

Na Mata Ciliar há diferentes graus de caducifolia na estação seca enquanto que a Mata de Galeria é perenifólia.

A camada de serapilheira que se forma é sempre menos profunda que a encontrada nas Matas de Galeria.

As árvores, predominantemente eretas, variam em altura de 20 a 25 m.

Alguns poucos indivíduos emergentes alcançando 30 m ou mais.

  • Mata de Galeria

Caracteriza-se pela vegetação florestal que acompanha os rios de pequeno porte e córregos dos planaltos do Brasil.

Formando corredores fechados (galerias) sobre o curso de água.

Localiza-se nos fundos dos vales ou nas cabeceiras de drenagem onde os cursos de água ainda não escavaram um canal definitivo.

Quase sempre é circundada por faixas de vegetação não florestal em ambas as margens.

E em geral ocorre uma transição brusca com formações savânicas e campestres.

De acordo com a composição florística e características ambientais, como topografia e variação na altura do lençol freático ao longo do ano, a Mata de Galeria pode ser de dois tipos:

  • Mata de Galeria não-Inundável:

Vegetaç