Vez ou outra a gente escuta notícias sobre açaí contaminado que provoca a doença de chagas.

Recentemente novamente está em evidência esse assunto.

E fica a dúvida, será mesmo que isso é possível?

Essa suspeita, já levantada desde 2006, foi confirmada em 2010 por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e também do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen).

Mas isso significa que não podemos mais tomar açaí sem riscos?

NÃO!

O açaí é típico da região norte e faz parte da base alimentar de muitos habitantes da região norte e nordeste do país.

E por lá o consumo da fruta in natura é diária.

Ou seja, não se trata do açaí industrializado que consumimos por aqui.

Se trata da fruta em estado natural, sem passar pelo processo de industrialização que conserva o produto para venda em outras regiões do Brasil e no exterior.

E por isso, não há motivos para descartar o consumo de açaí.

A contaminação ocorre quando há falta de higiene.

Testes realizados pelos pesquisadores, e publicados na revista Advances in Food and Nutrition Research, mostraram que o protozoário causador da doença de Chagas é capaz de sobreviver na polpa da fruta tanto em temperatura ambiente, como a 4°C, temperatura média de uma geladeira, e até a -20°C, no açaí congelado.

Assim, o açaí em geral é contaminado quando um barbeiro, inseto vetor da doença de chagas, ou as fezes dele se misturam à polpa durante o processamento.

Às vezes reservatórios utilizados na produção do vinho de açaí também podem ser contaminados.

No caso da polpa industrializada, que em geral a maioria das pessoas de outras regiões consomem, o produto passa por um processo de lavagem e de pasteurização.

E dessa forma elimina qualquer possibilidade de sobrevivência do Trypanosoma cruzi.

E o que é a doença de Chagas?

A doença de Chagas é uma doença infecciosa causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi.

E quando a pessoa desenvolve a doença, observam-se duas fases clínicas.

Uma aguda, que pode ou não ser identificada, e uma fase crônica.

Assim, a doença é adquirida por meio do contato com as fezes do barbeiro, seja pela pele ou via oral.

Isso porque no tubo digestivo dos insetos vetores, ocorre um ciclo com a transformação do parasito, dando origem as formas infectantes presentes nas fezes do inseto.

Entre os principais sintomas estão febre, inchaço e problemas cardíacos, que, em estado mais avançado, levam o paciente à morte.

Formas de transmissão

chagas

A transmissão do T. cruzi para o homem ocorre por meio de um vetor, os triatomíneos.

Esses triatomíneos apenas transmitem o parasita se estiverem infectados.

E isso acontece quando eles se alimentam em u