Acidente escorpiônico ou escorpionismo é o envenenamento provocado por um escorpião quando este injeta seu veneno por meio de seu ferrão.

Em várias cidades tem ocorrido o aumento da infestação de escorpiões.

E isso acontece, principalmente, nas estações mais quentes e úmidas como o verão e a primavera.

Em 2018 foram registrados 141,4 mil acidentes com escorpiões.

O número representa um aumento de 16 mil ocorrências em relação ao ano anterior, e um crescimento de quase 50 mil em relação a 2016.

Entre as cerca de 160 espécies de escorpião encontradas no Brasil, apenas 10 causam envenenamento em seres humanos.

A maioria dos acidentes ocorrem com o escorpião marrom também conhecido como escorpião preto (Tityus bahiensis) e o escorpião amarelo (Tityus serrulatus).

Normalmente o principal causador de acidentes e responsável pelas ocorrências mais graves é o escorpião amarelo.

Isso porque o escorpião amarelo se adapta ao ambiente urbano com facilidade e, além disso, as fêmeas dessa espécie conseguem se reproduzir sozinhas.

Ou seja, não precisam de machos, se reproduzem por meio da partenogênese.

E cada ninhada pode resultar em até 30 filhotes.

O que acontece quando se é picado por um escorpião

Cada espécie de escorpião pode causar um tipo de problema no organismo humano após uma picada.

Alguns sintomas podem aparecer imediatamente, enquanto outros demoram para chegar.

De modo geral, o veneno – formado por proteínas, enzimas, lipídeos, ácidos graxos e sais – age sobre o sistema nervoso, causando dor intensa e dormência muscular no local da picada.

Como as toxinas escorpiônicas agem estimulando a liberação de neurotransmissores do sistema nervoso autônomo, e observa-se alterações sobrepostas tanto da divisão simpática como parassimpática.

A intensidade dos sinais e sintomas do escorpionismo depende da dose de veneno.

Desde que socorrida rapidamente, a maioria das vítimas, recupera-se com o tratamento.

A gravidade do envenenamento depende não só da dose como a espécie de escorpião, sendo que o veneno do escorpião amarelo (Tityus serrulatus) é o mais potente na América do Sul e no Brasil.

Com menor frequência se observam efeitos sistêmicos como vômitos, taquicardia, hipertensão arterial, sudorese intensa, agitação e sonolência.

A dificuldade de respirar caracteriza os quadros mais graves, verificados principalmente em crianças.

As picadas por Tityus obscurus, comum na região amazônica, podem causar também efeitos neurológicos, com espasmos, tremores e uma sensação de choque elétrico.

escorpião

O veneno escorpiônico pode ser rapidamente absorvido na corrente sanguínea e por isso, as manifestações clínicas indicativas de envenenamento grave se iniciam em geral nas primeiras duas horas após a picada.

A picada causa uma dor intensa no local com irradiação pelo membro afetado.

A sensação é de queimação, agulhada e latejamento.

A picada é semelhante ao de uma vespa ou abelha, ficando inchada e avermelhada.

Geralmente as picadas ocorrem nos membros superiores, sendo mais da metade delas (65%) nas mãos ou antebraços.

Nos acidentes moderados e graves, após de 2 ou 3 horas surgem os seguintes sintomas:
  • Alteração da temperatura corporal, suor constante e abundante
  • Náusea, vômito, salivação excessiva, dor abdominal e diarreia
  • Arritmia do coração (aumento e redução) e alteração da pressão sanguínea (aumento e diminuição)
  • Alterações respiratórias podendo ocorrer acúmulo de fluidos no pulmão.
  • Essa é a principal causa dos óbitos.</