Você sabe como é feito um herbário?

Já se perguntou o que é preciso ou como é realizada a coleta e o preparo do material botânico?

A montagem de um herbário é trabalhosa e acontece em duas duas fases ou dois momentos.

Uma no campo e outra no laboratório.

Para te auxiliar nessa jornada de fazer um herbário, vamos fazer um passo a passo das atividades de campo.

A coleta do material

O primeiro passo das atividades de campo é a coleta de amostras de plantas.

Normalmente essa coleta é realizada por meio de excursões organizadas para esse fim.

O período de cada excursão é variável e depende de diferentes fatores.

Como por exemplo, distância da área escolhida, disponibilidade de mão de obra, condições climáticas, etc.

Você fará a coleta ao longo do dia e a prensagem ao entardecer.

É importante lembrar que para realizar coleta de qualquer espécie é necessário autorização.

Por isso, mesmo que a coleta não seja dentro de uma Unidade de Conservação é sugerido ao botânico realizar seu Registro Voluntário no SISBIO.

A solicitação da autorização do SISBIO é feita pela internet.

E caso a coleta seja efetivada em propriedade particular, é necessária também a autorização do proprietário.

Materiais utilizados em campo

Você vai precisar de um caderno de coletas.

Nele você vai escrever todas as informações da sua coleta.

Também vai precisar de uma prensa, tesouras de alta poda (podão) e de poda, facão, sacos plásticos, fita crepe, desplantador, jornal.

GPS para saber o local exato da coleta e máquina fotográfica para fazer os registros.

Para a coleta de material em árvores muito altas são necessárias, por exemplo, esporas, escada de cordas ou de alumínio.

Como fazer o registro no caderno de campo

Você vai usar essas informações para etiquetar as plantas na sua coleção.

Por isso quanto mais organizado você for durante a coleta, mais fácil vai ser esse processo depois.

As principais informações sobre cada espécime coletada são: número do coletor, local de coleta, data da coleta, nome dos coletores e observações sobre a planta e informações gerais.

Número do coletor

Você deve numerar suas coletas.

Ou seja, cada coleta, que inclui todas as cópias de determinada planta, recebe um único número.

Não pode haver mais de uma numeração para uma mesma coleta.

Procedência ou local de coleta

Se refere ao local específico da coleta.

É importante descrever o local corretamente, de modo que qualquer pessoa interessada em obter novamente aquele material, possa voltar ao local de coleta sem dificuldades.

Ou seja, deve incluir o país, o estado, o município, a descrição do local da coleta e as suas coordenadas geográficas.

Se não for possível, procure as coordenadas de um local próximo.

Por exemplo: Brasil, Minas Gerais, Viçosa, estrada Viçosa-Ponte Nova, km 8, do lado direito, no barranco, coordenadas 20°43’05.9”S e 42°50°00.8”W.

Data da coleta

É importante porque fornece informações sobre a fenologia (períodos de floração e, ou frutificação) de cada espécime coletado.

Conhecendo-se o período de frutificação, por exemplo, facilita a coleta de sementes, em caso de árvores matrizes.

Nome do(s) coletor(es)

O nome do coletor é fundamental caso seja necessário informações adicionais sobre determinado espécime coletado.

Por isso é importante anotar os nomes de todos os botânicos que participaram da coleta.

No entanto, deve haver um chefe da equipe, aquele que utilizará o seu caderno de coletas.

O nome do coletor chefe e o seu número de coleta são dados permanentemente ligados ao espécime coletado.

Observações sobre a planta e informações gerais

Você pode também colocar informações que abrangem características que se perdem ao se retirar a planta do seu habitat ou após secá-la.

Por exemplo, o nome popular da planta (se existir); seu hábito (árvore, arbusto, subarbusto, erva, trepadeira); substrato (terrestre, aquática, parasita, epífita, rupícola, brejosa); altura; aspecto do tronco (no caso das espécies arbóreas); coloração da flor, do fruto ou de qualquer outra parte do vegetal que fuja da cor verde; odor liberado pela planta, incluindo o da flor (adocicado, de fruto em decomposição, suave, etc.); a frequência com que aparece no local (rara, frequente, muito frequente); e dados de solo (argiloso, arenoso, encharcado).

Também é muito comum incluir observações ecológicas, como a presença de animais na planta ou em suas flores (abelhas, vespas, formigas, etc.).

Uma dica é escrever a lápis no caderno de campo para evitar que os dados tornem-se ilegíveis ou borrem, se molhados.

Mas o que coletar?

As suas coletas devem ser a mais completa possível, ou seja, folhas, flores e frutos.

Quando não for possível colher folhas, flores e frutos na mesma coleta, é recomendado que posteriormente seja feito uma nova coleta.

Para que sua representação fique completa na coleção.

Espécies monoicas e dioicas devem receber atenção especial, garantindo que as flores estaminadas e pistiladas sejam coletadas (Fidalgo & Bononi 1984).

A coleta de material estéril não é recomendada, pois dificulta ou impossibilita a sua identificação.

Já arbustos e árvores, devem-se coletar ramos nas dimensões de 40 cm de comprimento e até 25 cm de largura.

Esses ramos devem representar toda a variação do indivíduo e, por isso, ser coletados em diferentes pontos da copa.

No caso de ervas, coleta-se a planta inteira, ou seja, com raiz, caule, folhas, flores e frutos.

Os frutos podem ser mantidos no material coletado ou, quando muito volumosos, colecionados à parte, secos ou em líquido conservador.

Das plantas arbóreas e arbustivas, deve-se coletar um mínimo de cinco ramos.

Das herbáceas, coletam-se cinco indivíduos completos.

E quantos exemplares coletar?

Recomenda-se coletar cinco (mais ou menos, dependendo da planta) cópias.

Dessa forma, você terá material suficiente para identificação e também para intercâmbio com outros herbários.

Mas é importante ter bom senso!

Principalmente em relação às espécies herbáceas raras ou ameaçadas de extinção, as quais a coleta da planta inteira, ou de vários exemplares, não é indicada.

Acondicionamento para transporte do material coletado

As cópias de cada espécime coletadas devem ser amarradas com fita crepe, formando um “ramalhete”.

Na fita deve ser anotado o número correspondente à planta no caderno de coletas.

É importante o uso de uma caneta com tinta à prova d’água, pois a umidade pode remover o número.

Uma dica para evitar a perda do número de coleta é escrevê-lo em uma das folhas dos ramos coletados.

Depois, os “ramalhetes” são acondicionados e transportados em sacos plásticos grandes e de material resistente.

Ao longo de um dia, vários sacos plásticos podem ser preenchidos com plantas pertencentes a diferentes números de coleta.

Como fazer a prensagem

Os materiais botânicos mais sensíveis ao calor ou ao corte, que murcham rapidamente, devem ser prensados no ato da coleta.

Como por exemplo plantas aquáticas (especialmente as suas flores), espécies com pétalas caducas, ou com folhas compostas,  e espécies de Asteraceae.

Já o material botânico transportado em sacos plásticos deve ser prensado após a jornada de trabalho do dia.

Caso não seja possível a prensagem no mesmo dia da coleta, o material pode ser conservado em sacos plásticos vedados e mantidos em geladeira.

Para realizar a prensagem, utilizam-se duas superfícies planas e resistentes, geralmente de madeira (por exemplo, quadros de ripas de madeira, com 42 cm X 30 cm.

Essa medida é padrão, pois corresponde às medidas dos armários onde as plantas serão armazenadas.

herbário

Sobre uma dessas superfícies, apoia-se papelão corrugado.

Sobre a face lisa do papelão apoia-se uma folha de jornal dobrado ao meio e, entre a folha, uma cópia de material botânico, devidamente identificada com o número de coleta.